sábado, 4 de maio de 2013

Jean-Michel Charlier, o criador literário de Blueberry


Jean-Michel Charlier, aos 43 anos, em seu escritório 
na revista “Pilote”. Então, o roteirista descansou a 
caneta, que ele escreveu a narração de estreia do 
episódio 10, da primeira temporada, da série televisiva
 “Les Chevaliers du Ciel”. Fotografia: Studio Dargaud.
Fonte: jmcharlier.com, 2004.


Jean Michel Charlier
Bélgica, 1924

Charlier faz a sua estreia, em 1945, no periódico "Spirou". Em 1947, cria a série de Buck Danny. Fundador, com outros, do semanal "Pilote", se torna famoso pela série "Blueberry", desenhada magistralmente por Giraud. Roteirista de talento, é lembrado também por "Barbe Rouge", de 1959, realizada pelo desenhista Hubinon.

O seu nome fica ligado indissoluvelmente às aventuras de Blueberry, um western de característica original que modificou e influenciou gerações de autores de histórias em quadrinhos de aventura.

Charlier é também um prolífico escritor da produção franco-belga, que deve a sua indubitável eficácia narrativa à atenção com a qual segue o roteiro, onde, com frequência, atinge a inspiração para os seus personagens.

Fonte: REBAGLIATI, Franco. Un treno fra le nuvole. In viaggio con gli eroi dell'avventura. Pinerolo, Torino, Italia: Alzani Editore, 1998.

N. C.: Jean-Michel Charlier faleceu em 1989. Os roteiros da série “Blueberry” foram então confiados a Jean Giraud e da série “La Jeunesse de Blueberry” (“A Juventude de Blueberry”) a François Corteggiani.


Jean-Michel Charlier foi o criador de numerosos personagens de histórias em quadrinhos de aventura como Blueberry, Buck Danny, Barbe Rouge, Tanguy et Laverdure, La Patrouille des Castors, Marc Dacier, Kim Devil ou Tiger Joe… e se definiu, ele mesmo, como um contador de histórias na continuidade dos grandes folhetinistas dos tempos passados como Eugène Sue ou Paul Féval.

Ele foi um dos maiores roteiristas da História em Quadrinhos francófona do Século XX.

Escritor extraordinariamente prolífico, a maioria dos personagens que ele criou são ainda, até hoje, os heróis recorrentes da produção da 9ª arte.

Ele também foi, com René Goscinny e Albert Uderzo, o criador da revista “Pilote” e, em seguida, realizou numerosos documentários audiovisuais e adaptou para a televisão a célebre série “Les Chevaliers du ciel”.

Jean-Michel amava as palavras, amava inventar as histórias, amava as pessoas, a boa comida, a amizade, as viagens, a pintura, a música, os desenhos de seus companheiros, o amor e as brincadeiras de colegial. Foi um magnífico bon vivant que, de um gesto, de um riso, os convida fraternalmente a compartilhar o banquete.”

Guy Vidal

Fonte: RATIER, Giles. Jean-Michel Charlier vos raconte... Bègles, França: Collection Jean-Michel Charlier, coedição Sangam - Le Castor Astral, 2013.

N. C.: Guy Vidal é editor, foi o roteirista da série “Les Gringos”, juntamente com Charlier, cuja foi desenhada de Victor de la Fuente, e autor do livro “Jean-Michel Charlier. Um réacteur sous le plume”, publicado, em 1995, pela Dargaud.

O volume 5, de “Les Gringos, apresenta a história “Viva Nez Cassé” (“Viva Nariz Partido”, do apelido Tsi-Na-Pah, “Nariz Partido”, dado pelos Apaches a Blueberry) com a participação do ex-tenente, já sessentão e com os cabelos brancos, que vê morrer em seus braços, Chini, também idosa, uma das suas antigas paixões, filha do chefe apache chiricahua Cochise, a qual estava morando no México.


Afrânio Braga



Nenhum comentário:

Postar um comentário