quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

A Batalha de Little Big Horn

“Custer’s Last Stand” - “O Confronto Final de Custer”. A pintura “Custer’s Last Stand”, também conhecida como “The Last Stand”, considerada a obra-prima de Frederic Remington, 61 x 48 cm, 
1891, está exposta no Woolaroc Museu, em Bartlesville, Oklahoma, Estados Unidos da América.


Touro Sentado X General Custer
O oficial dos Estados Unidos e o índio Sioux lutam no Velho Oeste

Cristiano Dias

A grande batalha do Velho Oeste norte-americano aconteceu em Little Big Horn, no Estado de Montana, em 25 de junho de 1876. Dois grandes líderes estiveram com suas tropas em um combate que se tornou lendário nos Estados Unidos. O general George Custer, então o mais importante oficial do exército norte-americano, e Touro Sentado, o mais poderoso chefe indígena, da tribo sioux e famoso por formar um dos mais treinados exércitos de guerreiros para defender suas terras. Custer levou milhares de soldados às planícies de Montana. Em tendas esparramadas por 5 km nas margens do rio Little Big Horn, estavam amontoados 10 mil peles-vermelhas.


Crow Camp, Little Big Horn River, Montana.


O cansaço pesou nos ombros dos homens de Custer. Eles galoparam quase 2 mil quilômetros nos 30 dias anteriores. A batalha durou menos de duas horas. Os índios liquidaram os homens de Custer. A estratégia do chefe indígena foi orquestrar a união dos sioux com os cheyennes e arapahos. Muitos brancos foram mortos no combate corpo a corpo. Os soldados eram menos experientes nesse tipo de luta. Foi assim que Touro Branco, sobrinho de Touro Sentado, matou vários deles – e até o próprio Custer, que levou tiros no coração e na cabeça. As tropas do general perderam, além dele, 264 soldados. Entre os índios, houve somente 40 baixas. O restante da tropa do exército norte-americano bateu em retirada.


Sempre em combate
A batalha do general e do chefe indígena pelas terras americanas

Coronel Custer
Popular, era o maior matador de índios da época. O mais jovem general dos Estados Unidos ganhou fama em 1868, com o massacre de 103 cheyennes em Wichita. Morreu na Batalha de Little Big Horn aos 36 anos.

Touro Sentado
Líder nato, era muito mais um diplomata, que uniu tribos indígenas. Após vencer as tropas de Custer, foi perseguido pelo exército norte-americano. Em 1881, foi preso, mas solto depois. Foi assassinado em 1890.


A luta no cinema
Esse é um dos temas mais retratados nos melhores filmes de faroeste

• Filme italiano com título francês, "Touche Pas à la Femme Blanche", de 1974, tem Marcelo Mastroianni como Custer. Surreal do início ao fim, não é para historiadores.

• "Buffalo Bill and the Indians, or Sitting Bull’s History Lesson", de 1976, levou o Leão de Ouro em Veneza e traz Touro Sentado interpretado por Paul Newman.

• "Sitting Bull", de 1954, com atores desconhecidos, é uma reconstituição fiel da Batalha de Little Big Horn. Indicado para os historiadores.


As armas


Custer e seus soldados
Na mão, uma espingarda Springfield. Na cintura, cada um carregava um revólver Colt calibre 45.

Os guerreiros de Touro Sentado
Combatiam com todo tipo de arma, como carabinas, garruchas, revólveres e espingardas. A maioria não abria mão de arco e flecha e facões, usados para escalpelar os soldados brancos.


Para saber mais


Massacre! Índios Derrotam Custer em Little Big Horn, Dee Brown, ed. Melhoramentos, 1973.

Sitting Bull, Catherine Iannone, ed. Franklin Watts, 1998.

Fonte: Revista Aventuras na História. São Paulo: Editora Abril, 2006.


Chefe Cavalo Louco – Crazy Horse.

Cavalo Louco (1840 - 1877)

Chefe Lakota Oglala; o seu nome indígena era Tasunka Witko. Foi, juntamente com Touro Sentado, o símbolo da resistência Sioux aos brancos; participou das vitoriosas batalhas Fetterman, Rosebud e Little Big Horn. Atraído para uma cilada, em 16 de setembro, foi assassinado com um golpe de baioneta pelo soldado William Gentles, um irlandês do 14º Infantaria.


General George A. Custer.

Custer, George Armstrong (1839 - 1876)

É o mais famoso dos generais americanos; na realidade era subtenente e foi nomeado general durante a Guerra Civil por falta de oficiais de alta patente. Ao término da guerra, foi nomeado tenente coronel. É o responsável pelas carnificinas do Washita e o protagonista, negativo, da batalha de Little Big Horn, onde a sua arrogância e a sua incapacidade levaram ao massacre toda a sua tropa. Little Big Horn é mais famosa batalha das guerras indígenas.


Mapa da Crow Indian Reservation, Vale do Rio Little Big Horn, Montana. Local da batalha entre Custer e Touro Sentado.

Little Big Horn

É provavelmente a mais famosa batalha das guerras indígenas; além do quê, se pode dizer que foi a única verdadeira batalha campal combatida entre dois exércitos que se enfrentaram em campo aberto. Uma batalha verdadeira e propriamente então, como a entendemos nós ocidentais; não um desencontro segundo os cânones indígenas com ataques e fugas, armadilhas e cercos, nem um massacre de índios desarmados como em Sand Creek ou em Wounded Knee. E foi também a maior derrota do exército americano que, outrossim, já tinha sofrido pesadas derrotas em Powder e em Rosebud. A vitória dos Lakota, dos Cheyenne e dos Arapaho foi determinada por duas condições fundamentais: os índios aprenderam a combater "ao ocidental", isto é, reuniam as suas forças e atacavam para matar, não para "contar golpes" ou um objetivo quase demonstrativo como eram acostumados a fazer e, próprio ao ocidental, eram armados de Winchester e Spencer deixando tacapes e lanças nas tendas. A segunda condição foi a insensatez de Custer, que cometeu pelo menos quatro enormes erros estratégicos. Engajou batalha transgredindo as ordens dos generais Terry e Gibson, que estavam manobrando com Croock em três direções. Recusou-se a escutar os relatórios dos exploradores crow que falavam de um "imenso acampamento" e então atacou sem saber quantos adversários tinha pela frente. Sobre o vale pairava uma densa neblina, então atacou sem ter visual do campo de batalha. Enfim, dividiu as suas já exigidas forças, cerca de 700 homens, em quatro pelotões esperando atuar a repentina manobra como uma tenaz que lhe havia permitido realizar o massacre do Washita.

Porém em Little Big Horn (Capim Gordura, segundo os índios) se encontrou diante de doze mil índios, dos quais três mil guerreiros. A sua tropa, 265 homens, foi completamente aniquilada enquanto os índios tiveram 30 mortos. A batalha ocorreu em 25 de junho de 1876. O cerco dos índios foi liderado pelos chefes Cavalo Louco, Touro Sentado e Gall.


Índios Sioux.

Sioux

Nome genérico que agrupa três grupos principais: Lakota ou Teton, Santee ou Dakota, Nakota. Os Teton eram e são o grupo mais numeroso, dividido em sete povos: Oglala, Hunkpapa, Brulè, Minneconjou, Blakfeet, Itazipco ou Sans Arc e Two Kettle-Due Marmitte. Cavalo Louco era um Oglala, como Nuvem Vermelha, Touro Sentado um Hunkpapa. Os Oglala vivem hoje na reserva de Pine Ridge, os Brulè naquela de Rosebud, Minneconjou e Itazipco naquela de Cheyenne River, os Hunkpapa naquela de Standing Rock, compreendidas nos Estados de Montana, Dakota do Norte e do Sul. Atualmente são mais de cem mil. Foram os mais obstinados opositores do homem branco contra o qual combateram grandes e épicas batalhas, a partir de Little Big Horn, de Rosebud, de Powder. O massacre de Wounded Knee, onde foi exterminada a tribo dos Minneconjou, de Pé Gordo, marcou o fim das guerras indígenas.


Chefe Touro Sentado – Sitting Bull.

Touro Sentado Tatanka Yotanka (março de 1831 - 15 de dezembro de 1890)

É provavelmente o mais famoso dos chefes indígenas, Sioux Lakota Hunkpapa. A sua tribo, junto aos Cheyenne, aos Arapaho e aos Sioux Lakota Oglala, de Cavalo Louco, participou da vitoriosa batalha de Little Big Horn contra Custer. Em 1877, se refugiou no Canadá e retornou aos Estados Unidos somente em 1881; em 1885, entrou no Wild West Show, de Buffalo Bill, com um contrato de 50 dólares por semana, um bônus de 125 dólares e 1,5 dólares por cada fotografia sua assinada. Foi assassinado por um “scout” hunkpapa a serviço do exército.

Fonte: SANGIORGIO, Aurelio. Atlante di Tex. Roma, Italia: Il Minotauro, 2001.



Anti-herói americano. O índio Tatanka Iyotake, mais conhecida como Touro Sentado, virou lenda nos Estados Unidos ao conduzir 3,5 mil homens e mulheres das tribos sioux e cheyenne contra um dos regimentos da cavalaria americana liderada pelo general Custer. Touro Sentado venceu a batalha. Perseguido e exilado no Canadá, retornou aos Estados Unidos apenas em 1881. Transformou-se, então, em atração do espetáculo de Buffallo Bill, um dos primeiros sucessos de massa do show-bizz americano. “Nascido em 1831, Touro Sentado testemunhou o ocaso do modo de vida de seu povo”, escreve a Publishers Weekly. “Em Sitting Bull, inesquecível e trágico retrato escrito por Bill Yennes, ele emerge como uma figura apaixonada, pensativa e muito humana.” Para o site Booklist, o livro combina “historiografia e eloquência”. “Yennes mostra que Touro Sentado não foi apenas o alto comandante militar que venceu Custer ou o chefe dos chefes indígenas, mas alguma coisa muito próxima de um carismático xamã”, escreve a New Yorker.
Sitting Bull, Bill Yennes, Westholme, US$ 30.00

Fonte: Revista da Semana, 30 de outubro de 2008. São Paulo: Editora Abril, 2008.


Lakota Warriors, Little Big Horn, June 25, 1876
Pintura de Zhuo Shu Liang, ganhadora do Purchase Award de 2011.


Imagens: Woolaroc Museu: “Custer’s Last Stand”. Spinhxara: Chefe Cavalo Louco – Crazy Horse. Wikipedia: General George Custer. Greenwich Workshop: Lakota Map. Montana State University Library: Crow Camp, Little Big Horn River, Montana. marcosnogueirablog: Índios Sioux. Chrisdenengelsman: Touro Sentado. liangstudioLakota Warriors, Little Big Horn, June 25, 1876.

N. C.: As imagens expostas não constam em “Aventuras na História”, “Atlante di Tex” e “Revista da Semana”.

Afrânio Braga


8 comentários:

  1. BATALHA DE LITTLE BIG HORN ROBERTO J. FRAGA MOREIRA
    Cada um tem os seus heróis militares na vida. E por não ser exceção à regra, os meus preferidos são os seguintes: George Smith Patton, George Armstrong Custer, Erwin Johannes Eugen Rommel, Napoleon Bonaparte, César Augusto, Alexandre, o Grande e Aníbal, entre outros. Mas um em particular tem um lugar especial em minha galeria de "super-homens": Custer. !
    Para quem não leu sua biografia, esclareço que foi um audaz e controverso oficial de cavalaria do exército americano que se destacou em diversas batalhas na Guerra Civil Americana ( Secessão), principalmente na de Gettysburg, que marcou a virada que garantiu a vitória aos nortistas sobre os sulistas. Conseguiu a façanha histórica de chegar ao generalato quando tinha apenas 25 anos, e mesmo que fosse um posto temporário, vigente apenas durante esse conflito, honrou com glórias a sua carreira até o dia em que marcou um encontro com o destino, em 1876, na memorável batalha de Little Big Horn, em Montana, USA, contra os índios americanos.!
    Quando terminou a guerra civil, por não desejar ficar na reserva, aceitou retornar ao posto de capitão e chegou no final de sua carreira a patente de tenente-coronel do Sétimo Regimento de Cavalaria, oportunidade em que comandou diversas guerras com os índios rebeldes que não aceitavam ser confinados em reservas criadas pelo governo americano. Sua tática principal era a de sempre atacar as aldeias ao amanhecer, sendo em razão dessa tática ser apelidado de " O Filho da Estrela da Manhã", pelo próprio inimigo. Por ser um oficial intransigente, constantemente entrava em conflito com os subordinados, principalmente o Capitão Benteen e o Major Reno, que no final deixaram que Custer enfrentasse sozinho um número imenso de indígenas, ao não atenderem as suas ordem de ajuda enviadas por um mensageiro.!
    As causas de sua derrota são atribuídas a vários fatores, segundo os historiadores. Um
    deles o de cometer grave erro de avaliação, ao subestimar a quantidade de índios reunidos na região, não dando importância aos alertas de seus batedores sobre a existência de rastros que sugeriam a presença de um numeroso grupo acampado nas imediações, mais tarde estimado em 10.000 membros, com 4.000 guerreiros, aproximadamente, e pertencentes as tribos Lakotas e Cheyennes. !
    O Outro, de não ter levado as metralhadoras "Gatling", com o argumento de que atrasariam a marcha de sua coluna, devido ao peso excessivo, o que exigiria o uso de lentas carroças. E mesmo comandando uma força de cerca de 600 homens, Custer dividiu as suas tropas em quatro colunas, enfraquecendo assim a força principal que mais adiante enfrentaria um inimigo nitidamente superior em número. Essas colunas foram comandada por ele, e as outras pelo major Reno, pelo capitão Benteen e pelo capitão McDougal, ficando sob o seu comando perto de 240 homens, que morreram naquele dia.!
    Apesar das incongruências presentes em sua personalidade, considero que Custer desempenhou um importante papel na pacificação do Oeste Americano , ainda que os métodos por ele utilizados nem sempre primassem pelo bom senso e o humanismo.!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade você não conhece muito sobre Custer. Era filho de um ferreiro e apaixonado por Elizabeth,filha de um juiz. Fazia serviços de entregas para o juiz e a única forma que conseguiu para se aproximar da moça, foi ingressar na Academia Militar de West Point. Formou-se oficial aos 23 anos, em 34.º Lugar. Lembrando que a turma era de 34 alunos. Foi aproveitado em razão de estar de acontecendo a Guerra Civil. Era um exibicionista e costumava andar cercado de jornalistas que ele mesmo convidava para publicar as suas façanhas. Quando o General Lee se rendeu em Appomatox, Custer, sem ninguém mandar, arrojou o seu cavalo e pegou a bandeira das mãos do General, para ganhar a fama de ter obtido a rendição. Na batalha do Little Big Horn, Custer sucumbiu, porque não quis esperar as tropas do General Terry. Resolveu atacar um dia antes para ganhar a fama sozinho. Após sua morte, a personalidade de Custer foi escondida por muitos anos, enquanto Elizabeth estava viva, porque a mesma tinha amigos políticos e não pretendia mostrar a verdade sobre o seu marido. O verdadeiro Custer, exibicionista e metido a besta, só apareceu apos a morte de Elizabeth, sua esposa (a filha do juiz). Recomendo que leia "O Faroeste de Dee Brown". Esse escritor foi considerado a maior autoridade na história do Velho Oeste dos Estados Unidos. Há muitas outras obras a respeito da verdadeira personalidade de Custer. Longe do herói que pretendia ser.

      Excluir
    2. É uma explanação fantástica sobre um sorvedor de sangue.

      Excluir
  2. Heroi, como em Washita... kkkkkk. Assassino covarde.

    ResponderExcluir
  3. HeróO ?? Foi o pior dos homens. Matador de crianças e velhos. Com certeza tá no inferno.

    ResponderExcluir
  4. Os americanos foram responsáveis pelo maior genocídio das Américas por meio de extermínio sistemático dos índios. Estima-se que até 9 milhões de autóctones norte americanos possam ter sido trucidados numa guerra desigual e desumana. Na realidade há poucos heróis americanos que possam ser considerados "exemplos Humanos". O que havia de bom na América do Norte foi exterminado. A raça humana é sempre surpreendente.

    ResponderExcluir
  5. Custer, na minha opinião, não era um herói. Na verdade,ele foi responsável pelo assassinato de muitos indígenas,incluindo idosos,mulheres e crianças, como o massacre de wounded knee.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir