quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

"Blueberry" nº 17 "Angel Face"

Capa de "Angel Face", uma das reedições.


Prancha 1.


Prancha 2.


Prancha 3.


Prancha 4.


Prancha 5.


Prancha 6.


Ficha técnica

“Angel Face”
“Angel Face”
Roteiro: Jean-Michel Charlier
Desenhos e capa: Jean Giraud
Cores: Quadricromia
Volume: 17
Ano de lançamento da primeira edição: 1975
Número de pranchas: 46
Gênero: Western
Preço: 11.99 €
Formato: 22,5x29,8 cm
Público: Todos os públicos – Família
Dargaud Éditeur, Paris, França

Fonte das imagens: Dargaud Éditeur: capa e pranchas 2 a 6. Bedetheque: prancha 1.



A capa da 1ª edição.



A contracapa da 1ª edição.

Fonte: Bedetheque.


“Angel Face” - “Angel Face”

Segundo e último álbum do ciclo do Primeiro Complô contra Grant. A Decadência de Blueberry (álbuns 16 e 17) - Colorado e Novo México. Agosto de 1870. Acontecimento histórico: Custer recupera o seu comando. Angel Face: Cara de Anjo, devido à aparência do personagem Marmaduke O’Saughtness – um jovem, bem afeiçoado, com cabelos loiros e olhos azuis. Jean Giraud escreveu 10 páginas dessa história.


Prancha 1 de "Angel Face", edição americana, Epic Comics, 1991.

Criado pelo maior roteirista de história em quadrinhos francófona, Jean-Michel Charlier, e por um dos melhores desenhistas de HQ do mundo, o francês Jean Giraud, "Blueberry" apresenta em suas páginas um ritmo intenso de um roteiro muito bem estruturado. Após 12 anos realizando o personagem (1963 – 1975), Gir evoluiu bastante na saga blueberryana e também com o seu outro eu, Mœbius, o qual existia antes de Gir.

As fotografias de referência, para a capa de "Angel Face" ("Angel Face"), álbum publicado em 1975, foram extraídas de uma revista, por Jean Giraud, da seção de moda em Paris. O artista utilizou duas fotografias: da primeira retirou o homem, da segunda, o sofá.

Jean Giraud fez a ilustração de um cartaz para o álbum “Angel Face” (“Angel Face”), inspirado no quadrinho 5 da prancha 21 da história, que teve o roteiro de Jean-Michel Charlier com dez páginas escritas por Jean Giraud.

Em "Angel Face", quadrinho 3 da prancha 4, Jean Giraud se inspirou em John Wayne, de "The Horse Soldiers" ("Marcha de Heróis", título no Brasil; "Os Cavaleiros", em Portugal; "Les Cavaliers", na França), 1959, filme sobre a Guerra de Secessão, dirigido por John Ford, para compor um Mike, fugitivo, se trajando novamente de militar do Exército americano.

Em "Angel Face", Jean-Michel Charlier se inspirou no atentado contra John Kennedy, em Dallas, Texas, que culminou no assassinato do Presidente dos Estados Unidos, em 1963, para escrever o atentado contra Ulysses Grant, em Durango, Colorado. Um antigo amor do político, Guffie Palmer, irrompe, já ferida por Marmaduke O'Saughtnessy, mais conhecido por "Angel Face", tentando salvar o Presidente do tiro do pistoleiro envolvido em um complô contra Grant, em cenas da mesma página em cuja aparece Mike "John Wayne" Blueberry.

Envolvido, por políticos e militares, em um plano para assassinar o presidente Ulysses Simpson Grant, Blueberry é um fora-da-lei disposto a tudo para provar a sua inocência no sumiço do Tesouro dos Confederados. Entretanto as coisas se complicam ainda mais para ele, pois será acusado de tentativa de assassinato do presidente dos Estados Unidos, após uma fuga planejada por seus inimigos.

Abaixo do sótão onde estão Mike, Duke “Angel Face” e Kelly, de tocaia para atirar no presidente, encontram-se quatro homens do complô, prontos para matar Blueberry – que desconhece essa cilada - após a morte de Ulysses Grant, que desfila em uma charrete com uma grande escolta militar e civil. Angel Face mira sobre o alvo.

Blam! Blam! Blam! Disparos partem do sótão e atingem Guffie Palmer, que inesperadamente irrompe em Durango, já ferida no final do episódio anterior, e o Governador do Estado do Colorado. Blueberry consegue se libertar, joga um candeeiro sobre Kelly e Duke, parte para a luta corporal, o local se incendeia e os dois bandidos fogem saltando nos cavalos que os aguardavam com outros cúmplices.


Prancha 9.

Guffie, antes de morrer nos braços de Grant, tenta alertá-lo do complô para tirá-lo da presidência e da inocência de Mike Blueberry, entretanto ele entende que o ex-tenente é o assassino dela e do Governador, então oferece um prêmio de 10 mil dólares pelo fugitivo.

O fogo se alastra e começa a caçada ao fora-da-lei Blueberry, que salta os telhados, invade um saloon e surpreende o chefe dos bombeiros com uma prostituta em um dos quartos. Com os trajes de bombeiro, tomados do velhote, Blueberry consegue sair do estabelecimento, repleto de pessoas, entre as quais soldados, auxiliado pela bela proprietária, Rosa, que ainda flerta com ele.


Prancha 16, original. Blueberry bombeiro.


Quando ia trocar a roupa, Mike é surpreendido e obrigado pela população a ajudar no combate ao incêndio e acaba salvando uma velhinha rabugenta, zombeteira e fumante de charuto. Os soldados perseguiam um bombeiro, isso acaba causando uma briga entre os dois lados, de cuja Blueberry se aproveita para levar a velhinha, nos braços, até à sua casa.

Surgem na prefeitura, do gordo e desinteressado prefeito, os irmãos Art e Bupp Singletone, da Agência Pinkerton, que estavam na pista de Blueberry, Blake e Duke. Os agentes veem Blake na rua, em companhia de seu comparsa Mort Doogan, que se dirigiam à periferia da cidade onde estava escondido Duke. Enquanto isso, Mike está na casa da velhinha, a qual mora acompanhada pela bonita filha Janet, que oferece uma torta de mirtilo (blueberry) ao "mister John Johnes", e com o genro Melvin, ajudante do Xerife, o qual chega com o olho esquerdo roxo fruto de sua intervenção na briga entre os bombeiros e os soldados.

Melvin reconhece Blueberry e o leva preso. Ao passarem em frente a uma cantina, são reconhecidos por dois homens de Blake, que atiram e atingem o delegado. Mike se esconde entre os cavalos dos bandidos, consegue sacar o rifle de um deles e os elimina. Duas crianças mexicanas o ajudam, informando que o tio deles, o dono da cantina, saíra para buscar a polícia. Grant está reunido com a sua liderança, o prefeito e o xerife, e informa que não tem medo, cumprirá a programação e discursará, ao meio-dia, na estação ferroviária de Durango.


Prancha 28.

Os dois agentes da Pinkerton estavam espionando Blake, Doogan e Duke do telhado do seu esconderijo, quando são percebidos pelo trio – começa o tiroteio que culminará na morte dos detetives. Doogan é ferido na coluna vertebral e Angel Face termina o serviço. Blueberry estava por perto e chega pouco depois, ainda em tempo de ouvir de Doogan o novo plano para assassinar Grant, dessa vez na estação de trem. Os soldados continuam atrás de Mike, que volta à casa da bela loira Janet, viúva velando o corpo do falecido delegado, em companhia de sua mãe, cuja está sempre com o charuto na boca.

A cidade está sendo revirada pelo xerife e seus delegados, oficiais e soldados da Cavalaria. Eles chegam à casa da viúva e procuram até no caixão do morto, mas Mike Steve Donovan estava escondido sob o mesmo, debaixo do assoalho, e sai pedindo um pedaço de torta de mirtilo – a fruta que é o seu apelido, blueberry. Grant recebe o relatório que o ex-tenente se evaporou, então manda suspender as buscas.

Blueberry ganha da viúva Janet a estrela do falecido, sai da casa da velhinha disfarçado de ajudante de Xerife, ruma para a estação, todavia é reconhecido, no percurso, por um soldado que colava cartazes de "Procurado" – para um certo M. S. Blueberry, cujo prêmio já estava em 20 mil dólares. Mike, agora disfarçado de soldado, passa pelos postos de bloqueio e se esconde na caixa d’água da estação; simultaneamente, Blake e Duke estão no prédio principal, se apresentando como inspetores da ferrovia e pedem para dormir na torre do relógio.

Blake e Duke planejam o ataque, os homens do Presidente estão reunidos preocupados com Blueberry. Amanhece. Mike está na caixa d’água, com um rifle, a bolsa de cartazes e o balde de cola, e vê Blake passar abaixo, tendo trânsito livre com os falsos documentos, se colocando junto à locomotiva, como inspetor. O sistema de segurança em torno da estação é imenso. O Presidente chega em uma carroça-forte, se dirige para o palanque e começa a discursar.

Blueberry observa, quando o reflexo do vidro do relógio da torre da estação atinge o seu rosto, ao ser aberto por Duke, que tencionava matar Grant dessa vez pelas costas. Baw! Blueberry atira! Blam! Duke atira! O disparo de Mike acerta o vidro do relógio, enquanto aquele de Duke o chapéu de Grant indo se alojar nas costas de um soldado que estava abaixo do palanque.


Prancha 45.

Duke foge em meio a tiros, soldados chegam ao esconderijo de Mike, que joga a sacola com os cartazes derrubando-os da escada da caixa d’água, dali o ex-tenente salta para o trem sequestrado por Blake e Duke. Blake separa a locomotiva do comboio, troca tiros com Blueberry, é atingido e cai sobre os trilhos. Duke e Mike começam a lutar com os revólveres e terminam com as mãos. Socos e pontapés, Duke cai e enfia a cabeça na fornalha desfigurando a sua cara de anjo, salta da locomotiva em estado de choque.


Tira 1 da prancha 46 de "Angel Face", edição americana, Epic Comics, 1991.

A locomotiva estava em alta velocidade para a próxima curva e... Baoommm! Os soldados encontram somente os destroços do veículo, mais uma vez Blueberry havia desaparecido. Resgatam Duke, que, ao perguntarem o nome dele, respondeu: "Anjo... Cara... de Anjo!". Blake e Angel Face retornarão em “Le Bout de la piste” ("O Fim da Pista"), último álbum do ciclo do Segundo Complô contra Grant - Parte 2. A Reabilitação de Blueberry.

Afrânio Braga


Fonte das imagens: Bedetheque: prancha 1 da edição americana publicada pela Epic Comics em 1991. BDnet: prancha 9. Peciosenunaplayacualquiera: prancha 16, original. Li-an: prancha 28. La cancion de tristan: prancha 45. The blueberry encyclopaedia: tira 1 da prancha 46 da edição americana publicada pela Epic Comics em 1991.

Blueberry nº 17 Angel Face © Jean-Michel Charlier, Jean Giraud, Dargaud Éditeur 1975
Blueberry © Jean-Michel Charlier, Jean Giraud, Dargaud Éditeur


Nenhum comentário:

Postar um comentário