sexta-feira, 10 de junho de 2016

Exposição Gir-Moebius Fou et Cavalier

Exposição Giraud – Moebius "Fou et Cavalier"
19 e 20 de junho de 2008
Espace Cortambert
Paris, França


N. C.: Cartaz da exposição. Arzak, de Moebius, e Blueberry, de Giraud.


Ilustrações do álbum da exposição

Portrait



Tir au vol



Two Guns



Cavalcade



Caisse Verte



Blueberry



Attaque de banque



Little Bouddha



Anti G - Moebius



Fou et Cavalier - Moebius



Faux Cube - Moebius



Trois Émeraudes, Malvina - Moebius



Au loin - Gir


Artigo da revista “Bodoï” sobre a exposição “Fou et Cavalier”:


Moebius ao lado cota!

A exposição Fou et Cavalier tem sido organizada para um público escolhido cuidadosamente, convidado a admirar (e comprar) as telas inéditas de Mœbius – Jean Giraud. “BoDoï” faz você entrar pela pequena porta, revelando alguns desses quadros e se interroga sobre a cota do mestre.

700.000 euros por um Hergé, 177.000 euros um Bilal. Os artistas de histórias em quadrinhos têm mostrado nesses últimos tempos que eles têm a cota. Sem surpresa, Mœbius, aliás, Jean Giraud, faz parte desses que gostam particularmente os leiloeiros. Após uma venda em leilões inteiramente dedicada às suas criações (organizada por Millon et Associés, em novembro de 2007), uma venda privada intitulada Fou et Cavalier tem sido consagrada a ele em junho último, juntando 50 obras inéditas. Jean Giraud as tem realizadas, especialmente para o evento, em seis meses somente.

“A ideia era de mesclar meus trabalhos assinados Mœbius àqueles assinados Jean Giraud, a fim de apresentar uma espécie de balanço de minha carreira começada aos 18 anos, quer dizer, há 50 anos!”

Resultado: uma bela galeria de retratos indo de Blueberry ao Major Fatal, representados conforme as técnicas tão variadas como a aquarela, o lápis de cor ou o guache. Cerca de 500 pessoas vieram admirar os quadros expostos em um apartamento do 16º distrito parisiense. Mais da metade dos desenhos, vendidos entre 2.500 e 25.000 euros, têm encontrado comprador. Gonzague de Waresquiel e Fabrice Frémy têm aberto seu caderno de endereços e emprestado o lugar a Mœbius Production, que administra a obra de Mœbius. “Fabrice e eu somos aficionados de histórias em quadrinhos”, explica Gonzague de Waresquiel.
“Nós desejamos organizar as vendas de prestígio entorno desse meio a fim de atrair um novo público: aquele do show businnes ou da finança. Vincent Bolloré, Ridley Scott, Jan Kounen ou Michel Barnier também têm vindo assistir à exposição.”

Para Isabelle Giraud, esposa do artista e diretora da Mœbius Production, esse evento privado visava em preparar outro: “Eu tenho a ambição de montar uma grande exposição entorno da obra de Jean, que contaria mais de 300 peças. Mas, para isso, eu tenho desejo de encontrar os conservadores de museu ou os financiadores capazes de apoiar esse projeto.”.

Eis quem terá o mérito de apoiar a cota do desenhista de “L’Incal” no mercado de arte contemporânea.

“Em vez de um “mercado de arte contemporânea”, eu falaria antes de um “mercado da arte de nossos contemporâneos” sobre a qual ele deve ser ativo”, nuança Isabelle Giraud. “Esses são os investidores ou os museus que eles dirigem. Nossa margem de manobrar consiste em aceitar ou não vender as obras.”.

E de criá-las, se poderia ajuntar. Pois as ilustrações e as telas dos autores acham mais facilmente comprador que as pranchas, isso que obriga os fazedores de balões a pintar.

“Qual gênero de artistas somos nós, nós, os autores de histórias de quadrinhos?”, se interroga Jean Giraud. “Nosso trabalho é, geralmente, o fruto de uma encomenda, ele responde aos imperativos editoriais ou roteirísticos. Os retratos que eu tenho pintado para a exposição Fou et Cavalier se aparentam antes a ilustrações que a quadros. Minhas telas podem se impor pela sua qualidade plástica, mas também pelo seu poder emocional. Pois os compradores as compras também pelos personagens representados, que eles gostavam em sua infância.”.

É porque Jean Giraud não se esquece de trabalhar em seus álbuns. E anuncia, para o mês de outubro, a saída do 5º volume de “Inside Mœbius”.

Allison Reber

Fonte: Espace Cortambert, Paris, França.

Exposition Gir-Moebius Fout et Cavalier © Moebius Production, Espace Cortambert 2008
Moebius côté cote! © Alisson Reber, Bodoï 2008



Dorée Malone, artista vedete do saloon Dunhill, à cabeceira de Blueberry durante a sua convalescência no último ciclo “Mister Blueberry”, em um retrato descoberto em 2008, na ocasião da exposição “Fou et cavalier” no Espace Cortambert, em Paris, França.

Fonte: Louis-Hugues Jacquin, Casablanca, Marrocos.



Moebius pintando esse retrato de Dorée, namorada de Blueberry, para a exposição privada "Fou et cavalier". Fotografia publicada na edição japonesa de “40 days dans le Désert B”.

Fonte: Claude Mazere, Paris, França.



Outra pintura da exposição “Fou et cavalier”: Chihuahua Pearl.

Fonte: Claude Mazere, Paris, França.

N. C.: Lily Calloway, dita Chihuahua Pearl, é a mais famosa namorada de Mike Blueberry.


Afrânio Braga
Manaus, Amazonas, Brasil


quarta-feira, 1 de junho de 2016

“La Jeunesse de Blueberry” nº 8 “Trois hommes pour Atlanta”

Capa, reedição de 2005. 


Prancha 1. 

Prancha 2. 


Prancha 3. 


Prancha 4. 


Prancha 5. 


Contracapa, reedição 2005.

Ficha técnica

“Trois hommes pour Atlanta”
“Três Homens para Atlanta”
Roteiro: François Corteggiani
Desenhos e capa: Colin Wilson
Cores: Janet Gale
Volume: 8
Ano de publicação: Alpen Publishers: 1993 (1); Dargaud: 2000 (2), 2000 (Collection Édition en OR), 2005 (3).
Número de pranchas: 46
Gênero: Western
Preço: 11.99 €
Formato: 22,5x29,5 cm
Público: Todos os públicos – Família
Alpen Publishers, Genebra, Suiça
Dargaud Éditeur, Paris, França

Fonte: Dargaud Éditeur e Bedetheque.

N. C.: 1) Alpen Publishers: Capa dupla – o desenho se estende da capa à contracapa. Contracapa: “Blueberry”: 23 títulos; “Marshal Blueberry”: 2 títulos; “La Jeunesse de Blueberry”: 8 títulos. 2) Dargaud, 2000: Capa dupla – o desenho se estende da capa à contracapa. Contracapa: “Blueberry”: 26 títulos; “Marshal Blueberry”: 3 títulos; “La Jeunesse de Blueberry”: 12 títulos (11 publicados, 1 a publicar); “Hors collections”: 3 títulos. 3) Dargaud, 2005: Contracapa: “Blueberry”: 28 títulos; “Marshal Blueberry”: 3 títulos; “La Jeunesse de Blueberry”: 14 títulos (13 publicados, 1 a publicar); “Hors collections”: 3 títulos.


Paralelamente ao ciclo clássico da saga de Blueberry, Jean Giraud desenha, entre 1968 e 1970, a juventude do futuro tenente. Essa “série” retoma seu curso em 1985 sob o lápis de Colin Wilson, muito respeitoso do estilo imposto por Jean Giraud.

Quando Jean-Michel Charlier e Jean Giraud se lançaram em “La Jeunesse de Blueberry”, eles não poderiam imaginar a qual ponto essa outra faceta da vida de Blueberry iria apaixonar os leitores. Hoje, é Michel Blanc-Dumont que assume o grafismo – com maestria – ao lado do roteirista François Corteggiani.


Fonte: Dargaud Éditeur.


 A capa, Alpen Publishers, 1993


 A prancha 17, Alpen Publishers


A contracapa, Alpen Publishers


Blueberry fugiu da prisão de Rome, na Geórgia, a bordo de um trem sulista. Essa façanha vale a ele ser colocado sob as ordens do general Sherman, que vem de empreender sua marcha rumo ao mar, a fim de cortar em dois um Sul já moribundo. Blueberry é enviado a Atlanta, como batedor, para avaliar a importância das fortificações da cidade, mas as sombras, vindas de seu passado próximo, o esperam...

Fonte: “Trois hommes pour Atlanta”, Dargaud Éditeur, 2000.


Blueberry, o sargento Grayson e Homer rompem em Atlanta, na qual se parece visivelmente entrar como em um moinho apesar de “as formidáveis defesas da cidade”.

Nossos heróis passeiam em toda quietude, em seguida se fazem sitiar, depois fogem, depois passeiam, depois se fazem sitiar...

Blam! Blam! Paw! E paw-paw-paw!

Não muito evoluído!

Voltaire

Fonte: Bedetheque.


A série “Blueberry” foi criada por Jean-Michel Charlier e Jean Giraud.


Fonte das imagens: Bedetheque: capa e contracapa, Dargaud Éditeur, 2005; capa, prancha 17 e contracapa, Alpen Publishers, 1993. BDfugue: pranchas 1, 2, 3, 4 e 5, Dargaud Éditeur, 2005.

La Jeunesse de Blueberry nº 8 Trois hommes pour Atlanta © François Corteggiani, Colin Wilson, Alpen Publishers 1993
La Jeunesse de Blueberry nº 8 Trois hommes pour Atlanta © François Corteggiani, Colin Wilson, Dargaud Éditeur 2000, 2005


Afrânio Braga